A reposição hormonal para a menopausa

Como sabemos a menopausa é um processo que acontece no organismo da mulher, depois de uma determinada idade, quando ela menstrua pela última vez de forma natural. Contudo esse processo vem acompanhado de sintomas que podem causar imenso desconforto na mulher. É claro que esses incômodos podem variar de intensidade de mulher para mulher, assim como podem haver mulheres que não apresentem os principais dos sintomas.

Os sintomas comuns que uma mulher pode apresentar nesse climatério são:

  • A falta da menstruação;
  • Ondas de calor;
  • Falta de libido
  • Depressão
  • Má distribuição da gordura corporal
  • Insônia
  • Sudorese noturna

Todos os sintomas acima, estão relacionados à modificações hormonais, pelas quais a mulher passa durante a menopausa. Contudo o tratamento mais eficaz e mais utilizado é a terapia de reposição hormonal, que é indicada para pacientes que não possuam as seguintes restrições:

  • Pessoas que já sofreram infartos;
  • Que já passaram por um AVC;
  • Pessoas hipertensas
  • Portadoras de problemas cardíacos;
  • Pessoas com problemas de fígado
  • Portadoras de câncer de mama ou do endométrio

Não havendo nenhuma dessas restrições, a mulher que sofre com intensos desconfortos devido a menopausa, irão passar pelo tratamento que se baseia em repor os hormônios, aliviando os sintomas. Esse tratamento é indicado após uma série de exames que comprovem a aptidão da mulher para fazê-lo, por esses exames, serão feitas análises clínicas, que servirão de base para a determinação da dosagem correspondente para o caso de cada mulher.

A reposição hormonal para menopausa é feita com o estrógeno, ou com a combinação dele com progesterona. Existe um suplemento que já ajudou a milhares de brasileiras com os sintomas da menopausa, vale a pena conhece-lo, é o max amora.

Pode assistir o video abaixo pra saber mais


Estudos comprovam que mulheres que se submetem a terapia de reposição de hormônios, correm um risco maior de desenvolver o câncer de mama ou de cólon, do que as que não se submetem. Existe um período em que se pode considerar o tratamento mais seguro: Entre os 50 e 59 anos a mulher ao desenvolver os sintomas deve iniciar o tratamento e fazê-lo por sete anos consecutivos no máximo.

O acompanhamento médico é de grande importância, o ginecologista irá acompanhar, fazer alterações de dosagem se necessário e até suspender o tratamento quando não mais for necessário. A visita ao ginecologista após o encerramento do ciclo menstrual não deve existir. Ao contrário do que acontece, elas devem ser continuadas, afim de prevenir possíveis doenças uterinas e mesmo prevenir contra o câncer de mama.

Sabemos que algumas pessoas não podem se submeter ao tratamento de reposição de hormônios, então você deve estar se perguntando como elas ficam não é mesmo? Para elas existem outros tratamentos alternativos que são os medicamentos não hormonais. São medicados que estão direcionados especificamente para o determinado sintoma, isto é, para as crises depressivas, serão indicados antidepressivos, que solucionarão este problema unicamente.

Outras soluções para quem não pode se submeter a reposição hormonal, é optar por terapias alternativas como homeopatia, fitoterapia e acupuntura.